Warning: trim() expects parameter 1 to be string, array given in /home/belezaparamulher/www/libraries/joomla/html/parameter.php on line 83
Chocolate, doces e filosofia: Dependência Emocional





Warning: Parameter 4 to JHTMLMenu::treerecurse() expected to be a reference, value given in /home/belezaparamulher/www/libraries/joomla/html/html.php on line 87

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/belezaparamulher/www/components/com_idoblog/models/idoblog.php on line 218
Chocolate, doces e filosofia: Dependência Emocional
25.07.2012 23:32:32

Chocolate, doces e filosofia

Dependência. De quê, de quem e para quê mesmo?

Definição de dependência: Quadro relativo às características psicológicas e/ou fisiológicas do abuso de substâncias ou atos.

É da natureza humana depender de alguém. Logo quando nascemos, dependemos do peito da mãe para nos alimentarmos e da boa vontade dela para nos deixar limpos e bem aconchegados. A questão é que, ao longo da vida, sofremos vários graus de dependência que mais tarde, serão determinantes para exemplificar o dependente tachativo daquele que superou, de fato, a dependência.

Especificamente quero questionar a dependência emocional. A idéia de depender de alguém para ser bem quisto, bem dito, bem sucedido, bem amado. Pela interpretação do próprio dicionário, a pessoa se torna abusiva de substâncias ou atos (que abordarei especificamente atos, apenas).

Vi certa vez, um documentário muito importante sobre as diferenças do sexo que, de forma linear ia traçando as diferenciações de comportamento e consequentemente de necessidades entre homens e mulheres. Segundo este documentário, esta questão é química. Tudo vai depender do nível de testosterona do indivíduo (foi ai que descobri que mulher também tem este hormônio, rs). Ele está contido no líquido amniótico da bolsa da mãe para o filho e, pelo cordão umbilical passa mais ou menos testosterona para o feto, dependendo claro, do nível de testosterona da própria mãe.

Neste documentário fizeram um teste para mensurar as diferenças entre homens e mulheres desde o início dos seus nascimentos. Ainda sem abrirem os olhos pela primeira vez, os bebês recém nascidos ficaram cada qual no seu bercinho. O teste era saber para quê ou quem o bebê olharia na sua primeira abertura dos olhos.

O óbvio foi constatado. O bebê do sexo feminino ao abrir os olhos, procurava esforçadamente procurar a mãe. Ficava inquieta em achar os olhos dela, o rosto, pegar no cabelo, pedir colo. Já o bebê do sexo mascuilno ao abrir os olhos, procurou os bibelôs do quarto, sem se atentar a alguém especificamente. Ficou atento aos bibêlos que rodavam dando vazão as diferenças químicas de dependência. O documentário sugeria que a mulher dependia de alguém enquanto que o homem dependia de algo material.

Podemos dizer então que, a dependência da mulher para com pessoas sempre foi maior desde seu nascimento e só foi reforçada ainda mais com tarefas domésticas e cuida das crias no sentido antropológico, enquanto o homem tinha que mostrar sua força saindo para caçar para dar sustento à seus entes.

No cenário em que vivemos hoje, existem mulheres mais emancipadas no que se diz respeito a emoção, contudo existem outras dependentes emocionalmente dos pais, avós, namorados, conjugês. Este tipo de dependente crê que só estará seguro com um outro alguém e normalmente suas alegrias, tristezas e razões de vida são definidas se estiverem com alguém.

O amor possui várias definições (tema para outro “Chocolate, doces e Filosofia”), mas imprenscindivelmente o dependente o define como um comportamento capaz de cumprir às suas próprias necessidades. Normalmente exige demais do outro e responsabiliza-o  no que se diz respeito a todas as sensações de sua vida. Culpas, tristezas, alegrias, decisões... Até mesmo seu valor sua auto estima requer a presença do outro.

Na maioria das vezes o relacionamento de um dependente não dá certo. Sufocante, exigido e sofrido demais, as emoções são densas e suas idéias sempre extremistas, extremistas a ponto de serem doentias. O dependente muitas vezes cria o amor tóxico, deixando claro ao outro sua obsessão e sentimento de posse.

São vistos como ciumentos e antisociais. Geralmente quando se encontra o outro, o dependente não tem mais motivos para se socializar e/ou expandir seu círculo de relacionamento. Suas preocupações e razões de vida limitam-se em querer saber do outro o tempo todo, limitam-se a perseguição, espionagem, hostilidade e coação.

Ufa! Fiquei sufocada só de escrever, rs... Pra fechar lanço a pergunta: Você é dependente? Qual a sua dependência? Qual o seu grau de dependência? Por que ainda depende de alguém? O que pretende fazer a respeito disso? 




Tags: comportamento | relacionamento | chocolate | doces | filosofia | amor


 

Reply this post
Username:

E-mail:

  Enter text shown in left:
 




Warning: Parameter 1 to modMainMenuHelper::buildXML() expected to be a reference, value given in /home/belezaparamulher/www/libraries/joomla/cache/handler/callback.php on line 99
Pingar o BlogBlogs

Add to Technorati Favorites



http://www.cortesepenteados.com.br